Finanças Sustentáveis

fs na mídia

Nova avaliação na praça

01/09/2007
Amália Safatle

Ferramenta já consolidada para avaliação de risco de crédito, o Credit Rating da Serasa fornece informações econômico-financeiras das principais companhias no Brasil. A novidade é que um produto similar foi lançado pela empresa, desta vez para análise do risco ambiental. “Trata-se de um instrumento a mais para tomada de decisão na concessão de empréstimos”, conta Franklin Mendes Thame, gerente de produtos de risco socioambiental da Serasa. “Hoje poucos bancos fazem esse tipo de avaliação. Com a nova ferramenta, a prática pode ser generalizada”, avalia Victorio Mattarozzi, sócio da Finanças Sustentáveis, consultoria voltada à sustentabilidade no setor financeiro. Ele e seu sócio Cássio Trunkl explicam que empresas bem pontuadas na avaliação ambiental da Serasa deverão pagar spreads menores.

Por isso, as que têm bom desempenho ambiental tendem a responder o questionário distribuído a mais de 2 mil empresas no País. O produto, chamado Relatório de Responsabilidade Ambiental (RRA), permite avaliação das empresas segundo quatro critérios: política e gestão ambiental; forma de uso dos recursos naturais; medidas adotadas para evitar, diminuir ou remediar impactos; e cumprimento das disposições legais. O atendimento a esses parâmetros resulta numa nota, enquanto o não-atendimento pontua negativamente.

Mais que isso, explicam os consultores, o RRA dará informações para que os bancos forneçam produtos e serviços financeiros específicos para as empresas superarem suas vulnerabilidades. E para elas será uma forma de identificá-las e corrigi-las.

Um dos benchmarks utilizados na construção do questionário foi o Índice de Sustentabilidade Empresarial da Bovespa (ISE). Até o fim do ano, informa Thame, a Serasa lançará também o Relatório de Responsabilidade Social, produto que se unirá aos anteriores (econômico-financeiro e ambiental) para completar o tripé da sustentabilidade.

Página 22

Publicado na página 10 da edição de setembro de 2007.

voltar

finanças sustentáveis . todos os direitos reservados